Rio de Lembranças.


Parei diante de um pequeno córrego que havia perto de casa, e pus-me a olhá-lo com um grande sentimento de nostalgia que apertava meu peito com a lembrança de momentos e pessoas que passaram por minha vida.

Pude avistar alguns segundos, minutos e horas correndo rio abaixo, levados pela forte correnteza que os arrastava com sua força. Logo em seguida, um pouco mais atrás, vieram os dias, meses e anos, que tentavam lutar contra a força do rio, numa tentativa frustrada de nadar de volta para a nascente. Junto deles estavam várias lembranças, mais espertas, ao invés de nadar contra o rio, tentaram nadar para as margens, e com essa estratégia, muitas delas conseguiram pular para fora do rio e ficaram sentadas pelas margens, esperando um alguém que pudesse encontrá-las.

A maioria das lembranças que ficaram pelas margens eram boas. A medida que eu as observava, meus olhos se enchiam de água. Eram lembranças lindas, perfeitas. Não me contive de tanta alegria ao vê-las, então corri para agarrá-las, mas para meu desapontamento todas elas eram intocáveis. Quanto mais eu me aproximava, mais elas se dissipavam. E não pude nem ao menos toca-las por alguns segundos, apenas olhá-las.

Também avistei algumas lembranças más, feias, horríveis. Algumas delas me deram uma sensação de alívio por não poder tocá-las. Outras, me incentivaram, gritando coisas que um dia pude superar, que pude vencer.

Naquele dia quando voltei para casa, muitas delas, boas ou ruins, me seguiram e até hoje estão comigo em todos os momentos. De vez enquando algumas outras delas aparecem, outras vão se embora, mas as que ficam me ajudam. Me ajudam a ver que a vida vale a pena.

20 comentários:

Luiza disse...

Talvez as lembranças nos façam ver que a vida vale a pena, outras não.
Mas talvez o dia a dia não faça a vida valer tanto a pena assim... não sei.

Darlan disse...

Vinicius, que lindo isso! Uma das metáforas mais lindas que já li, intensa. Fico felicíssimo que essa coisa de escrever e publicar o que escreve tenha surgido em você, é um deleite!

Vanessa disse...

Lembranças! Boas ou ruins, agradeço por tê-las!

Luízα disse...

Tempo... Tempo ... tempo...Ele me mata.
Adorei o texto, mostra bem os dois lados da moeda. Beijão :*

Pequena Poetiza disse...

que lindo texto
pq traz emoção de todas as formas e com promessa de felicidade no fim
mesmo no fluxo do rio não esquece de olhar para as margens e deixar, ou melhor, permitir se afertar por elas.

muito lindo de verdade

beijos

Cah Fregonezi disse...

liiindo texto vizinho!
muito mesmo, adorei!
Parabens! beijocas ;*

Samanta disse...

Vi
que texto mara esse
É como se fosse um tapa na cara
Adorei
Bjus

Anônimo disse...

nossa que horrivel esse texto!! nada haver...que ilusao hein!! zueraaa ficou muito bom... parabens ai, voce escreve muito bem... abraco Eduardo

Menino Poeta disse...

Lembranças! O que seria eu sem elas? Hum! Não seria o que sou! Por quê? Elas me dão a esperança de um dia acontecer de novo, aquilo que foi tão gostoso ao meu coração. Belíssimo o seu post

Carola Guimarães disse...

Que lindo! (:

Ahh.. Obrigada pela visita, fiquei muito feliz!

Você escreve muito bem!
O seu estilo me lembra o meu! :D
Um jeito de pensar parecido, idéias parecidas... Transcritas em versos diferentes... De uma maneira tão interessante!
Estou adorando seu blog! ;D

;*

Beatriz disse...

vinnyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy que lindooo se superou dessa vez hein?!
como vc escreve bemmmmmmmm vou te srguir Ok?!
bjãooo
BIA!!!

Marcos Vinicius Lima de Almeida disse...

Realmente rapaz, belo texto. Captou o mistério da vida, o fluxo contínuo, lembranças que se afogam... lembranças que escapam e nos perseguem, às vezes, nos atormentam.No fim das contas é vida e isso, viver pra lembrar... colecionar prazer, sensação, frustração, dor, alegria, enfim...

Larissa disse...

Elas não se deixam tocar, porque já estiveram na tua mão e foram seguindo o fluxo da correnteza, né? :)
Lindo texto!

:*

Marcos Vinicius Lima de Almeida disse...

Vinny, achei um site bacana de literatura, que abre espaço pra publicação. talvez se interesse... acabei de publicar um conto meu nele...

se interessar da uma fragada: http://www.tirodeletra.com.br/

Ígor Andrade disse...

Bonito texto!
Agradeço seu comentário, amigo.
Abraço!

Thiago Assis disse...

primeiro vou dizendo que sou fã de figuras de linguagem e que adorei o "Pude avistar alguns segundos, minutos e horas correndo rio abaixo" e todo o restante do paragrafo por conta disso =D

Uma narrativa meio que fantastica, beirando o surreal... ótimo texto, cara. Parabens

E leia sim o livro, é bem interessante. Já comprei o outro do autor "Uma breve historia do séc. XX"... só não li ainda.


www.thiagogaru.blogspot.com

Juliana disse...

aah Vi...
Que lindo!
Agradeço tanto pelas lembranças boas...
entre elas, os momentos que passei com você. =)


te amo!

Luiza disse...

To orphaaaaaan

Anônimo disse...

Vi, fantástico. Não se esqueça do que falei antes, publique um livro. Vc tem talento. Beijão.

Sofia Fada disse...

adorei esse texto.
vc é muito bom na prosa poética.
bj