As Palavras e Eu.


Tem vezes que escrever me dói um pouco. Não uma dor física, mas como se eu estivesse me espremendo, me esmagando, me moendo por dentro. E muitas vezes nesse ritual, me encontro vazio, oco. As palavras simplesmente não querem sair, não querem existir. Querem ficar por perto, dentro de mim. Palavras tímidas. E isso me sufoca. Tenho vontade de cuspi-las. Vontade de vomitá-las. Mas elas se agarram com tanta força dentro de mim, que acabo desistindo, e dou uma trégua a elas. Passado um tempo tento de novo, e quando consigo expulsá-las de mim, me sinto leve. Flutuo. Como se tirasse um grande peso que estava amarrado aos meus pés e que me impediam de voar. Neste exato momento estou tentando voar. Mas algo ainda me puxa em direção ao chão. Não sei o que é. Sei apenas que está ali, me segurando. E se não sei, não posso tentar tira-lo de mim. Não sei a quem expulsar. E dói. Escrever me faz bem. Só quero escrever. Quero voar.